Como funciona a metodologia SCRUM?

Posted on Leave a commentPosted in Noticia

O scrum é uma ferramenta que permite controlar de forma eficaz e eficiente o trabalho, potencializando as equipes que trabalham em prol de um objetivo em comum.

Esta metodologia é essencial para muitas empresas atualmente, porque não apenas facilita a definição de objetivos, como também ajuda a cumprir os prazos estabelecidos.

No scrum se trabalha com o chamado product backlog, um registro que contém as áreas do produto que devem ser desenvolvidas. Do product backlog é criado o release backlog, que é a junção dos requisitos do product backlog que vão ser trabalhados, de acordo com a prioridade de cada um. O release backlog é um ponto para a criação do sprint backlog, que representa o espaço de tempo em que uma tarefa (chamada de user story) vai ser concluída.

O tamanho de cada sprint é adequado à empresa em questão e aos seus projetos. A sprint pode demorar entre uma a quatro semanas. O processo de scrum costuma ser controlado em um quadro, onde é possível ver as tarefas que estão em desenvolvimento, as que foram trabalhadas, mas que ainda precisam ser verificadas ou testadas, e as que são consideradas concluídas.

Alguns dos elementos que fazem parte do processo do Scrum são:

  • Product owner: é o dono do produto ou projeto que vai ser trabalhado, sendo responsável pela direção a seguir, definindo quais requisitos vão fazer parte do product backlog e quais devem ser abordados pela equipe. Representa os usuários ou clientes do produto em questão;
  • Scrum Master: é o elemento que faz a ligação entre o product owner e a equipe. Tem a responsabilidade de organizar reuniões, fazer o acompanhamento do trabalho e se certificar que cada integrante da equipe tem as ferramentas necessárias para cumprir a sua função da melhor maneira possível.
  • Team (equipe): É a equipe que trabalha para o desenvolvimento do projeto ou produto.

Outro conceito relevante nesta área é o daily scrum, ou scrum diário, que consiste em uma reunião organizada pelo Scrum Master. Todos os elementos estão em pé, para que a reunião seja de curta duração (máximo 15 minutos). Esta reunião é uma forma de comprovar que cada elemento está cumprindo o seu papel.

Outra reunião importante no âmbito do scrum é a de planejamento da próxima sprint, onde é definido quanto tempo vai durar cada tarefa. O standard para a medição do tempo de cada tarefa pode ser atribuição de pontos ou tamanhos de camiseta (XL, L, M, S, XS), sendo que uma tarefa que demora mais tem mais pontos. Desta forma, é possível somar os pontos no fim da sprint e averiguar a velocidade de trabalho da equipe.

A monitorização do progresso de cada sprint é feita através da burndown chart (tabela burndown), uma das características que torna o scrum tão popular.

Consiste em uma tabela que permite controlar se um projeto está se desenvolvendo da forma programada. Ela apresenta uma medição diária da quantidade de trabalho que ainda não foi feito em cada sprint ou release. Esta tabela também permite fazer uma estimativa do tempo em que a sprint vai ser concluída. Assim, é possível saber se o projeto está progredindo de acordo com o tempo estimado ou se vai sofrer algum atraso. Essa informação pode ser usada pela equipe para fazer alguns ajustes no seu trabalho, impedindo que o atraso se verifique realmente.

A origem do termo scrum vem do esporte rúgbi, onde scrum define a aglomeração dos jogadores, muitas vezes vista como “formação ordenada”. No scrum, 8 jogadores de cada time estão frente a frente e têm que fazer um esforço para recuperar a bola que se encontra no meio do “aglomerado”.

O time PMBASIS é formado por profissionais altamente qualificados e com certificação Professional Scrum Master.  Para mais informações entre em contato conosco.

*Fonte: Weeke

 

IBM revela 5 previsões sobre a vida em 2022

Posted on Leave a commentPosted in Noticia

As 5 previsões da IBM para 2022

De acordo com a empresa, em apenas cinco anos presenciaremos avanços importantes nos campos da inteligência artificial, Internet das Coisas e medicina. Os benefícios nestas áreas vão desde a saúde e o meio ambiente até a nossa compreensão da Terra e do Universo.

1. Com inteligência artificial, nossas palavras serão uma janela para a nossa saúde mental

Segundo a IBM, em 2022 usaremos Machine Learning e processamento de linguagem natural para prever e monitorar doenças mentais. Sistemas de AI identificarão sinais reveladores de transtornos mentais a partir da análise do discurso do paciente ou mesmo observando palavras escritas.

Dispositivos móveis terão a capacidade de “ouvir” os padrões de fala e, em seguida, analisá-los com um algoritmo de análise de texto para, então, identificar quaisquer problemas. Em 2022, tudo o que dizemos e escrevemos será usado como indicador de nossa saúde mental e bem-estar físico.

Em 2022, usaremos inteligência artificial para prever e monitorar doenças mentais.

A tecnologia ajudará médicos a identificar tratar doenças como depressão, esquizofrenia, Parkinson e Alzheimer ou condições como autismo e Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDHA).

2. Hiperimagem e inteligência artificial nos darão visão de super-herói

Em apenas cinco anos, seremos capazes de enxergar amplamente, além do domínio da luz visível. Segundo a IBM, poderemos ver microondas, ondas milimétricas e imagens infravermelhas. E tudo isso através de dispositivos pequenos o suficiente em nossos bolsos.

Equipamentos portáteis e acessíveis, que combinam tecnologia de hiperimagem e inteligência artificial, nos ajudarão a ver informações valiosas ou perigos em potencial que, de outro modo, jamais seriam conhecidos. A visão de “super-herói” seria parte de nossas experiências diárias.

IBM vision

Em 2022, seremos capazes de enxergar amplamente, além do domínio da luz visível (Crédito; Shutterstock)

Os cientistas da IBM estão construindo uma plataforma de hiperimagem compacta que “vê” em diferentes porções do espectro eletromagnético. Incorporada em nossos smartphones, a tecnologia nos forneceria uma supervisão e nos autorizaria a explorar uma infinidade de itens.

A supervisão nos permitiria, por exemplo, avaliar o valor nutricional de alimentos, ou mesmo se estes alimentos são seguros para ser consumidos; detectar se determinado medicamento é verdadeiro ou fraudulento; e, ainda, conduzir veículos com segurança mesmo sob neblina ou chuva.

3. Os macroscópios nos ajudarão a entender a complexidade da Terra em detalhes infinitos

Em 2022, algoritmos e softwares de aprendizagem mecânica nos ajudarão a organizar a informação do mundo, para que possamos compreender a complexidade dos dados coletados por bilhões de dispositivos todos os dias. Estes sistemas são chamados pela IBM de macroscópios.

Estas ferramentas organizarão todos os dados do mundo – sejam coletados por microscópios ou telescópios. Os macroscópios revelarão novos conhecimentos sobre alguns dos problemas mais fundamentais que enfrentamos, como a disponibilidade de alimentos, água e energia.

IBM macroscópio

Em 2022, os macroscópios nos permitirão analisar tudo sob novas perspectivas (Crédito: Shutterstock)

A tecnologia do macroscópio transformará muitas indústrias. Ao agregar, organizar e analisar dados sobre o clima, as condições do solo, os recursos hídricos e sua relação com as práticas de irrigação, por exemplo, uma nova geração de agricultores terá insights para melhorar a colheita.

Estas ferramentas poderão também analisar dados coletados por telescópios para prever as colisões de asteroides. Astrofísicos conhecerão ainda mais o espaço. Ao reunir todos os dados complexos da Terra juntos, os macroscópios nos permitirão analisar tudo sob novas perspectivas.

4. ‘Labs on a chip’ servirão como detetives de saúde para rastrear doenças em nanoescala

Na maioria dos casos médicos, quanto mais cedo uma doença é diagnosticada, mais provável é que ela seja curada ou bem controlada. Contudo, doenças como câncer ou Parkinson são muitas vezes difíceis de detectar, pois se escondem em nossos corpos antes que os sintomas apareçam.

IBM chip

Em 2022, poderemos rastrear doenças em nanoescala (Crédito: Shutterstock)

De acordo com a empresa IBM, a tecnologia Lab-on-a-chip teria fundamental importância no processo de detecção de doenças, sendo capaz de rastrear pistas invisíveis em nossos fluidos corporais para nos informar se há ou não necessidade de consultarmos um profissional da área médica.

Os chips enviarão informações de forma segura para a nuvem, sendo então analisados por sistemas de AI. Doenças que normalmente só poderiam ser detectadas em laboratórios de grande escala serão agora identificadas com a tecnologia Lab-on-a-chip. Em resumo: um laboratório completo de bioquímica na palma da mão.

5. Sensores inteligentes detectarão poluição ambiental à “velocidade da luz”

Em 2022, seremos capazes de detectar poluição ambiental quase que instantaneamente. Sensores inteligentes incorporados no solo ou equipados com drones poderão identificar poluentes em tempo real, sem precisar transferir as amostras de volta para um laboratório.

IBM poluição

Em 2022, poderemos detectar poluição ambiental quase que instantaneamente (Crédito: Shutterstock)

Estas novos dispositivos serão instalados próximos a poços de extração de gás natural, em torno de instalações de armazenamento e no interior de tubulações. Ao identificar qualquer perigo, alertarão as autoridades responsáveis, diminuindo o risco de eventos catastróficos.

Com os sensores, seremos capazes de detectar vazamentos químicos em tempo real; analisar e extrair dados de sensores para obter novos conhecimentos sobre a disseminação de poluentes; combinar dados para detectar novos poluentes; e identificar doenças respiratórias.

Prevendo o futuro

Embora ninguém tenha a capacidade de prever o futuro, as tecnologias referidas já estão bem desenvolvidas por equipes de pesquisa no mundo inteiro, o que leva a IBM a acreditar que concretizar todos estes avanços não é uma questão de se, mas de quando. Aguardemos as cenas dos próximos capítulos.

 

Fonte:

  • https://futuroexponencial.com/previsoes-ibm-2022/

MG será a capital da inovação entre os dias 31/out e 04/nov

Posted on Leave a commentPosted in Noticia

A feira mais inovadora da América Latina acontecerá entre os dias 31 de outubro a 04 de novembro no EXPOMINAS – BH/MG.

O lugar certo para fazer conexões e desenvolver novas ideias

Após o grande sucesso de 2016, Minas Gerais se prepara para receber a segunda edição da FINIT! A Feira reúne, em um só lugar, grandes e consolidados eventos e um público bem diverso na capital mineira.

Grandes eventos em um só lugar

A FINIT 2017 comportará a segunda Campus Party Minas Gerais, repleta de atividades para os campuseiros mineiros; a Arena de Negócios, conectando grandes empresas e startups; a Arena Experience, promovendo atividades de divulgação científica; e a Arena Criativa, ambiente dedicado à criatividade e inovação.

Minas Gerais: o lugar certo para inovar

Minas Gerais já se firmou como um dos maiores polos de fomento à inovação e ao empreendedorismo do Brasil. Sua capital vai abrigar novamente a FINIT e tem grandes motivos para isso!

Confira como foi a FINIT 2016

Em novembro de 2016, Belo Horizonte recebeu a primeira edição da feira mais inovadora da América Latina. Um grande hub de negócios que reuniu diversos eventos em um só local, com o objetivo de incentivar a inovação, buscando a troca de informações, soluções e oportunidades

Para fazer sua inscrição acesse: www.finitmg.com.br/inscreva-se

*Fonte: www.finitmg.com.br

 

Como funciona o modelo de negócios do Rock In Rio

Posted on Leave a commentPosted in Curiosidades sobre GP, Noticia

O Rock In Rio pode é considerado um dos maiores eventos de música do mundo. Mas para que tudo ocorra perfeitamente o evento conta com muito planejamento, treinamento, gestão de processos, administração de conflitos e profissionais qualificados.

Segundo o CEO do grupo, Luis Justo, o grande desafio do RiR é entregar com excelência a “prolongação” de momentos de felicidade às pessoas. Engenheiro de formação, ele recorre a Freud para sustentar o argumento de que o Homem vive de momentos de felicidade e que a busca desses momentos é fruto de uma insatisfação que a humanidade vive. O Rock in Rio vem preencher essa lacuna e busca fazer isso com excelência no compartilhamento de felicidade. Para isso, Justo afirma que há muito treinamento dos quase 16 mil colaboradores que atuam na Cidade do Rock e a gestão de talentos é feita de forma criteriosa através de uma liderança compartilhada, porém, claramente estabelecida, ou seja, há uma hierarquia bem definida e integrada. Em todas as áreas ou bairros da Cidade do Rock há coordenadores que se reportam para outros líderes até chegar no board do grupo. A excelência é levada a sério conferindo ao RiR a ISO 20121, uma certificação internacional de sustentabilidade que somente o Comitê organizador das Olimpíadas de Londres tinha obtido até então.

Através do Canvas, Justo apresentou o modelo de negócios do Rock in Rio:

  • Proposta de valor: a experiência, a plataforma de comunicação e o conteúdo exclusivo.
  • Relacionamento com clientes é feito por: sites, redes sociais e na Cidade do Rock.
  • Canais utilizados: site, ticketeria, mídias próprias e parceiros, Cidade do Rock.
  • Segmentos de clientes: fãs de música, patrocinadores e empresas de mídia.
  • Atividades-chave: seleção artística, concepção de experiências e campanhas, gestão de projetos e infra-estrutura.
  • Recursos-chave: Bandas, Cidade do Rock.
  • Parcerias-chave: agentes das bandas, media partners, fornecedores de infra e serviços, governo.
  • Estrutura de custo: bandas, infraestrutura e serviços de produção.
  • Fontes de renda: ingressos, patrocínios e licenciamentos.
 
Imagem – Modelo de Negócio ROCK IN RIO, PMBASIS.